Capítulo 14

III. Praticando a Norma Como a Vida das Funções Análogas Mais Altas

Selo 14 Mago BrancoExcitação do Pulso Estelar e Planetário: Radion, Energia Radial, Matrizes Radiais

Postulado 14.1
2013 DA é o ponto de sincronização sinalizando a conclusão de todos os exercícios necessários para abrir os túneis do tempo do tubo de fluxo interplanetário do heliocosmo.
A consciência contínua telepática torna-se normalizada possibilitando o funcionamento comum da ordem supra-consciente.
Postulado 14.2
A sincronização do sistema de tubo de fluxo interplanetário 2013 DA, marca o advento da “consciência solar” a estabilização da evolução hiperorgânica supra-consciente da semente de arte planetária terrestre dentro de todo o heliocosmo.
Postulado 14.3
Durante todo o ciclo, 2000-2013 DA, três níveis de incidência desprendem-se e sincronizam-se simultaneamente: ativação do sistema de tubo de fluxo e a reorganização harmônica da ordem sincrônica do heliocosmo; desenvolvimento concorrente das formas de arquitetura radiosônica “ancorando” a viagem telepática no tempo; e a coordenação sincronizada do banco psi com as pulsações da freqüência solar (conclusão do circuito AC).
Postulado 14.4
O processo somatório da atividade 2000-2013 DA demonstra uma simbiose de excitação das pulsações planetárias e estelares.
A excitação da pulsação planetária é experimentada como uma transição biosfera-noosfera.
A revelação do banco psi planetário é na verdade uma função da excitação estelar.
Postulado 14.5
A excitação estelar é um registro da vida das funções análogas superiores de outras massas estelares cuja consciência heliocósmica avançou para supra-consciência e consciência subliminar.
O pico das excitações estelares nos momentos da sincronização galáctica, a retroalimentação consciente subliminar da quinta força galáctica entoada estabiliza a vida universal em novos planos mais altos de crescendos de excitação.
Os planos estelares mais altos definem diferentes épocas evolutivas dos sistemas planetário e estelar.
Postulado 14.6
O platô da Era Psicozóica acelera o aumento do radion das transmissões extra-estelares.
Transduzida através da arquitetura radiosônica da semente da arte planetária e da ativação do tubo de fluxo interplanetário, o aumento do radion extra-estelar produz o aumento da radiância (expectralização) da terceira dimensão, a qual precipita, por sua vez, as realizações do supra-consciente das ordens da matriz radial.
Postulado 14.7
As estruturas social e noosfericamente interativas da semente de arte planetária demonstram as possibilidades evolutivas da RAP através da solarização das funções sensoriais hiperorgânicas.
Todas as funções sensoriais da consciência coordenadas com as freqüências de pulsação solar estabelecem as funções supra-conscientes como análogos paralelos às coordenadas radiais solares (estelares).
Postulado 14.8
A solarização radial das funções sensoriais hiperorgânicas constituem uma mudança evolutiva biopsíquica onde uma versão análoga superior à fotossíntese das plantas ocorre agora como um tipo de fotossíntese multisensorial na qual os órgãos sensitivos são hiperextendidos radiosonicamente.
A hiperextensão radiosônica dos órgãos dos sentidos resulta na criação espontânea de conjuntos de elétrons mentais, elétrons-neutrons mentais e fótons mentais correspondendo à diferentes funções sensoriais, por exemplo, elétrons mentais auditivos, etc.
Postulado 14.9
A arquitetura radiosônica, tal como a máquina da era da tecnosfera, é um fenômeno biogenicamente induzido que toma as propriedades de multiplicação e de propagação do organismo biológico anfitrião.
Regulada por T(E)=Arte, a arquitetura radiosônica radializa o mundo fenomenal como pulsações solares coordenadas de funções análogas mais elevadas.
Postulado 14.10
Através da radialização das pulsações solares da aquitetura radiosônica, torna-se um fenômeno evolutivo semi-independente e é auto-gerada através do seu radion cromático estrutural da quinta força.
Como os sete plasmas eletrônicos primários, o radion gerado radiosonicamente transforma a manutenção da arquitetura radiosônica através das experiências hipersensórias expandidas na ocupação primária dos habitantes da semente de arte planetária.
Postulado 14.11
A rede planetária auto-evolutiva da arquitetura radiosônica que registra as funções análogas da vida das funções análogas superiores é aumentada pelo desenvolvimento das “naves de almas”, portadores criados radiosonicamente da duplicata quadridimensional que estendem a atividade da duplicata muito além do espaço de vida da era atual.
A espécie humana em si evolui numa raça de magos cujos corpos tridimensionais são enraizados em um tipo de cultura de jardim elemental, toda vez que formas de meditação profunda e atividades de transe permitem às duplicatas projetadas uma extensão cada vez maior até a ordem galáctica da vida universal.
Postulado 14.12
Através do estilo de vida superconsciente hiperorgânico, funções da consciência solar transformam a aparência da biosfera.
Funções entrelaçadas radiosonicamente do cristal, plantas, animais e super humanos são unidas em novas formas radializadas radiantemente através de novas combinações de elétrons, neutrons e fótons mentais.
Postulado 14.13
A existência hiperorgânica da arquitetura radiosônica que converte a PAN na semente de arte planetária totalmente evoluída, estabelece “os programas de visitas mútuas da vida galáctica universal” como um fórum expandido para a investigação da cultura galáctica.
As ordens de complexidade crescente da arquitetura radiosônica auto-geradas que constituem a essência da manifestação da semente de arte planetária em si mesmas tornam-se uma forma de atração para outras inteligências dentro do Cérebro Galáctico.

 

Scroll to top