De Tulan A DistanteE a segunda nave onde viria a nossa sabedoria; onde viriam as nossas ferramentas, os nossos equipamentos, todo o nosso socorro, tudo o que informámos que tinha de ser; demoraria 10 katunes. E então começamos a construir onde viver com os recursos muito pobres que tínhamos. Phit-A-Joratz com a terra fina e húmida fez muito bons (planos) e traços para fazer a casa. E a esta nossa primeira casa pusemos o nome de Tulán.

E a Tulán, a nossa casa, foram (depois) chegando os homens nativos dos 4 lugares. E desta gente nativa que aí encontrámos, alguns (povos) eram bons e bem dispostos; e tinham para sua defesa não outras armas mas (setas) arcos e lanças, nos quais eram mestres, e podiam matar uma infinidade de gente. E esses homens nativos tinham uma orelha furada e o nariz também de um lado ao outro. E há alguns que têm as duas orelhas; e nunca soubemos a sua intenção de não magoar.

Encontramos um grande número de povos e diversas línguas e, porque sabíamos a maneira de fazê-lo, sempre nos entendemos. E assim perguntávamos e respondiam como se eles falassem a nossa língua ou nós falássemos a língua deles, que por certo eram estranhas. E falaram-nos como (crianças) assustadas. E falámos com eles e dissemos-lhes muitas coisas, que vínhamos de muito longe, (do espaço) do céu disseram eles, para ajudá-los no que fosse necessário, porque todos eles e todos nós e todos de todas as partes éramos nada mais que irmãos...

De Tulán, A Distante

 

 

 

 

 

"... E quando chegamos aos seus povos, assombrámo-nos muito: ali estavam os nossos exploradores mecânicos, mas (traduzidos) em pedra."