17: O Tempo e a Segunda Criação

Parar o Tempo: Tempo e a Segunda Criação

Já considerámos que estamos no fim do tempo – isto é, o fim do tempo artificial. E que 2012 marca o fim do ciclo da história. E o começo de algo novo. E que a mudança de calendário em 2004 é a primeira semente desse novo começo. Que mudando o tempo em 2004 significa dar-nos a nós próprios tempo novo suficiente para voltar a viver em 2012 a harmonia natural. Desta maneira conseguimos ganhar a profecia e viver o paraíso na Terra.

Como é que o paraíso na Terra pode ser uma função do tempo? Se o Novo Tempo nutre os valores da harmonia interna, arte e beleza natural, sincronicidade e telepatia, que tipo de mundo, podemos criar?

Do ponto de vista da alma, vivendo com estes valores vai-se muito distante no caminho de aperfeiçoar a alma! Em facto, estes mesmos valores são o necessário se queres participar na Segunda Criação. Que para o valor real do novo tempo é que um novo tempo necessita uma segunda criação. Sim, a questão final de parar o velho tempo é que possamos fazê-lo todos ao mesmo tempo, e ir em frente com a segunda criação, o novo tempo!

Será que Deus está à espera que façamos a mudança do tempo para nos ajudar com a segunda criação? Será que parar o tempo é o grande teste da alma humana colectiva? Será que Deus nos deu a mudança de calendário como uma maneira mais fácil de sair do apocalipse?

Poderá haver alguma coisa nisso. No fim de contas, se tomarmos controlo do nosso tempo, não estaremos a tomar controlo de um factor principal na organização das nossas vidas? Sim, estamos. E se ao vivermos no tempo, traz-nos uma harmonia interna enorme, expressão artística e telepatia, novos insights no trabalho com a natureza, não será que estes valores por si mesmos mudarão o mundo?

Sim. E mais adiante, vivendo em harmonia com a natureza em vez de ir contra ela, vamos restaurando e co-criando em vez de esgotá-la e destruí-la.

Ao passo que as nossas mentes vão abrindo para os poderes psíquicos, há tanto tempo adormecidos, resumidos pela telepatia, não achas que visões novas abrirão em nossas mentes? Sim, visões novas com novas soluções, insights novos para trabalhar a natureza, e um novo sentido de poder com a natureza.

Este é um mundo que podemos co-criar com uma nova visão comum nascida da parar o tempo como uma tarefa humana colectiva, uma responsabilidade, igual, para o nosso futuro. Porque encaremos isto; ao estarmos a parar o velho tempo, estamos a parar tudo o que nele está incluído. Poderemos depois escolher o tipo de mundo que queremos, um mundo em tempo de harmonia. Um mundo em que a vida não é para ser temida, mas para ser divertida. Um mundo de consciência universal cósmica. Podemos criar este mundo. Está em nosso poder. O poder libertado pela parar o tempo.

Podemos ver que parar o tempo é uma técnica criativa. É uma técnica utilizada através dos tempos pelos shamãs, místicos e yogis. É como altos níveis de consciência são obtidos e mantidos. E tendo acesso a esses estados os místicos, yogis ou shamãs podem recriar-se.

Estamos aqui dizendo que a mesma técnica deve ser utilizada colectivamente para parar o velho tempo, antes que ele acabe por nos matar. Isto é, antes que nos matemos. Parando o tempo podemos ficar sóbrios. Podemos entrar nas reservas que transbordam criatividade por não terem sido usadas por tanto tempo. Podemos participar na Segunda Criação.

Permitindo-nos nestes 8 anos, 2004-2012, aprender como ir em frente com a Segunda Criação, podemos estar totalmente prontos para 2012 e para a vinda do paraíso na Terra. Isto é que é excitante!

Imagina a raça humana experimentando um tipo de acordar em colectivo, um entendimento de como fomos seduzidos a ir para o caminho errado, uma caminho que só levou à destruição. E depois, todos juntos, fazendo o desvio, percebendo que algo de positivo pode ser feito como um único organismo, algo construtivo. Este é também um efeito da parar o tempo, e um seguimento para a Segunda Criação.

O poder está nas tuas mãos. Vamos fazer algo por isto. O poder chama-se: treze luas/ 28-dias. É o poder da liberação do tempo. Vamos. O mundo espera-nos.