Mapa Estrelar Interdimensional Revisitado

NS.1.30.9.2: Kin 29, Lua Eléctrica Vermelha.

“Verdadeira magia é a força que une as dimensões. Por isso, a verdadeira magia pode ser sistematizada e usada em ocasiões específicas. Para invocar a verdadeira magia, o enigma dos sonhos que preenche as dimensões, é o poder do Oráculo”José Argüelles/Sonda de Arcturus

O que segue, é nos oferecido como uma diretriz de como trabalhar com o Mapa Estrelar Interdimensional Maya para desbloquear mais a nossa  memória cósmica. Este mapa foi criado por José Argüelles/Valum Votan e apareceu pela primeira vez nos seu trabalho de 1987 Surfistas do Zuvuya (Surfers of Zuvuya).

A chave é meditar, reflectindo  este sistema nos nossos chakras para incorporara o conhecimento das estrelas.

Note-se que este mapa começa particularmente no terceiro olho com Hunab Ku: Único Dador do Movimento e Medida.

 

Mapa Estrelar Interdimensional Maya
Mapa Estrelar Interdimensional Maya primeiro foi apresentado pela primeira vez por José Argüelles/Valum Votan, no seu livro de 1987 Surfistas do Zuvuya. Se para si este assunto é novo, este livro é talvez o melhor para entrar neste conhecimento.

 

Visualize Hunab Ku no terceiro olho como uma estação de rádio cósmica, recebendo e transmitindo vários fluxos de informação. Aqui é onde são recebidos os comandos da Ordem Galáctica Dinâmica (GOD).

Estes “comandos” podem ser considerados como modelos de informação que, então, são pulsados, subindo até à Fonte Omnigaláctica (chakra da coroa).

A partir daqui  os modelos de informação são transduzidos para a Galáxia Mãe Alfa (Mãe Original do passado primitivo) e para Galáxia Pai Omega (Pai Original do futuro primordial).

Os modelos “passado” e “futuro” são então transduzidos e transmitidos a Sirius, localizado no chakra da garganta.  Sirius, a estrela mais brilhante do nosso céu, auxilia na coordenação e unificação solar-galáctica.

De Sirius, esses modelos de informação são então transmitidos para a Pleyades no chakra do coração onde reside Alcyone, o sol Central na nossa parte da galáxia.

Em cada lado das Pleyades estão Antares e Arcturus. Antares está localizado do lado da mãe primordial e Arcturus está do lado do pai primordial.  As Pleyades são a estação central de comando directivo entre os dois, onde programas de informação são transformados e baixados.

Antares significa “rival de Marte” e é a estrela mais brilhante da Constelação de Escorpião.  Arcturus é a estrela guardiã da ursa que representa a tutela ou orientação. É a estrela mais brilhante da Constelação Boieiro ou Pastor.

A onda de Arcturus ilustra como Arcturus e Antares já foram rivais, então após a experiência Marciana eles tornaram-se aliados e uma parceria conjunta foi formada para manter a vigilância no sector da Vela..

No Mapa Estrelar Interdimensional, Arcturus e Antares trabalham juntos para sintetizar os modelos do passado e do futuro que então são tranduzidos e transmitidos à Estação Intermédia AA.

A Estação Intermédia AA é uma estação de monitoramento dimensional superior que supervisiona as actividades na Terra.   Através de diferentes vigilâncias, ou ao que poderíamos chamar de “visão remota”, praticamente tudo o que ocorre neste planeta é conhecido e observado. A Estação Intermédia AA faz parte da maior operação dos conselhos intergalácticos.  O que estamos a ver agora com toda a vigilância é apenas uma revelação de que sempre vem acontecendo nas dimensões superiores.  Tal como em acima, assim é em baixo.

Da Estação Intermédia AA, fluxos de informação das estrelas como Sirius, Arcturus, Pleyades e Antares descem e são encaminhados até ao Pai Sol (Helios) e Mãe Sol (Vesta), os pais divinos de nosso sistema solar.

Este fluxo de informação é transmitido através de nosso Sol (Kinich Ahau) e transduzido através dos ciclos solares solar na Terra. Foi assim que os Mayas Galácticos receberam a informação directamente e é a base do Fator Maya, o Caminho Mais Além da Tecnologia por José Argüelles.

 

Mapa Estrelar Interdimensional Maya 2

 

Do Sol, a informação é transportada para o núcleo da Terra (interior da terra) e emana na superfície para ser recordado através do “filhos do sol”.

Eis porque José Argüelles/Valum Votan tantas vezes falou em se tornar um “Telépata Biosolar”.

“Bio” significa forma de vida. Solar refere-se ao Sol.

Então um telepata biosolar é aquele cuja mente está em sintonia com os ciclos do Sol e podem comunicar com outras civilizações telepáticas. Como?

Ao sintonizar o terceiro olho com o Sol, que é um portal para o Hunab Ku. Através da ressonância cultivada através de uma mente disciplinada pode-se sintonizar as transmissões de outros sistemas estelares, como Sirius ou Arcturus, etc., e então, reduzi-la a um conhecimento relevante para ajudar os terráqueos no processo de recuperação de memória.

Vemos a partir deste mapa, a importância da Terra como o destinatário e a fase final desta experiência particular no tempo.

Mais deste conhecimento será desenvolvido na Arte do Tempo: Construindo a Arca Interdimensional.

Psi crono do dia: Kin 106 Enlaçador dos Mundos Branco, sinal claro do tumulo de Pacal Votan
Kin equivalente, mestre diário: Kin 218: Espelho Planetário Branco, Assinatura Galáctica da abertura do túmulo de Pacal Votan.


Texto de Stephanie South a.k.a Red Queen, publicado em:
https://1320frequencyshift.com/