A Descoberta da Tumba de Pacal Votan

Templo das Inscrições, PalenqueEm novembro de 1952, uma notícia percorreu o mundo, surpreendendo a todos que se interessavam por questões históricas. Nas selvas do Estado de Chiapas, no México, havia sido descoberta uma cripta funerária, no interior de uma pirâmide, denominada “Templo das Inscrições”, dentro da qual estavam os restos de um corpo, identificado como sendo o corpo do soberano de Palenque, Pacal Votan, o guerreiro sagrado. Tal fato rompia com a divisão existente até então para classificar as pirâmides, segundo a qual as pirâmides egípcias eram tumbas e as americanas eram templos. Foi assim que rapidamente se tornou famosa a “Tumba de Palenque” e jornalistas, historiadores, arqueólogos e simples curiosos vieram de todas as partes, pois entrar na pirâmide e conhecer a cripta mortuária escondida em seu interior, era e continua sendo uma experiência extraordinária.

Tumba de Pacal Votan, PalenqueEla está localizada a 26 metros de profundidade em relação ao santuário superior, em um espaço subterrâneo de sete metros de altura por nove de comprimento e quatro de largura. O arqueólogo Alberto Ruz Lhuillier, responsável por tal descobrimento, encontrou uma sala que estava ocupada quase por completo por um enorme sarcófago, coberto por uma pedra esculpida de 3,8 por 2,2 metros e com 20 cms. de espessura, que pesava mais de 5,5 toneladas. O monolítico sarcófago pesa quase 15 toneladas e de nenhuma maneira poderia ter passado pelas estreitas escadas da cripta, o que indica que foi introduzido na pirâmide enquanto a mesma estava em obras. Em seu interior estavam não apenas os restos mortais de Pacal Votan, como também seus tesouros, seus amuletos, retratos dele esculpidos em relevo e também uma extraordinária máscara de jade cobrindo-lhe o rosto. A tampa do sarcófago é uma enorme pedra de 8 metros quadrados na qual pode ser vista uma ornamentação de caráter cosmológico, que comprova uma grande elevação espiritual.

Lapida de Pacal Votan, PalenqueO baixo relevo apresenta em seu centro o soberano Pacal descansando sobre o monstro da Terra. Sua expressão facial em êxtase está voltada para o céu. Abaixo da figura de Pacal, uma enorme boca do mundo subterrâneo, representada pelas mandíbulas de um jaguar, se dispõem a engolir o defunto. Em cima do soberano, se eleva a árvore cósmica, em forma de cruz, cujos braços terminam com imagens do dragão, que simboliza o sangue. Em cima desta árvore está o pássaro celeste, uma espécie de Quetzal ou de Fênix. Suspensa nesta árvore da vida, como uma grinalda, aparece uma serpente bicéfala. Suas bocas estão abertas de par em par, e de seu interior emergem as cabeças de duas divindades. Nos muros, montavam guarda figuras estilizadas dos senhores da noite. Essa fantástica lápide esculpida, com abundância plena de simbolismos, constitui uma das melhores realizações artísticas de todos os tempos. Na verdade, todo o panteão maia, com seu sistema cosmológico, está resumido no magnífico baixo relevo que adorna o sarcófago destinado ao soberano de Palenque. Esta obra, executada com delicadeza e segurança extraordinárias, informa sobre a organização do universo; os dias e as noites, os astros como o Sol e a Lua, a Via Láctea, constituem o marco (em sentido estrito) desta imagem do Mundo que se desenvolve ao redor do rei. Pacal Votan, no centro, desempenha o papel do grande organizador do mundo dos vivos e dos mortos, atuando como o intermediário entre o abismo de Xibalba (inferno) e a claridade celeste. Ele está suspenso entre dois infinitos, como Senhor de um universo mítico e divino.

Por intermédio de tal obra, os maias lograram expressar boa parte de sua cosmovisão.

O descobrimento da câmara sepulcral foi o resultado de paciente trabalho de quatro anos, realizado nas mais adversas condições, por um grupo de arqueólogos que trabalharam sob a coordenação do arqueólogo Alberto Ruz Lhuillier, nascido na França e naturalizado mexicano, que foi quem descobriu, no alto da pirâmide, uma parede que dava passagem a uma escada que conduzia até a cripta. O ducto que ia da câmara mortuária ao exterior da pirâmide, na parte superior, no templo edificado acima, representava a técnica aperfeiçoada pelos antigos maias para manterem-se em contato direto com os seus mortos, especialmente aqueles seres que haviam alcançado em vida uma elevada espiritualidade, como foi o caso do personagem cujos restos jaziam no interior da pirâmide de Palenque, o grande sacerdote Pacal Votan, que além de governante daquele local, tinha sido um guerreiro sagrado. Através daquele ducto, ele havia continuado a proporcionar a seu povo orientação e ajuda.

A Máscara Funerária de Jade que Cobria o Rosto de PACAL VOTAN

Mascara de Jade de Pacal Votan, PalenqueInteiramente feita em mosaico de jade, esta máscara funerária de 24 cms. de altura, que representa o soberano de Palenque, Pacal Votan, (em maia Palenque significa Nah Chan Can, ou Casa da Serpente), estava colocada sobre seu rosto. De intenso colorido, seus olhos são bolas de nácar e a íris é de obsidiana; eles contém cerca de 200 elementos, pacientemente reconstruídos pela equipe do Arqueólogo Alberto Ruz Lhuillier. As pupilas pintadas conferem à máscara uma expressão fascinante. Na boca, brilhava o amuleto da imortalidade, em forma de “T”, feito de pirita. É um amuleto protetor, que, no calendário de 13 luas, representa o selo Vento. A letra “T” também quer dizer TAO = verdade ou caminho. Outro símbolo encontrado foi um palito vertical, representando o “yang”, positivo, masculino, branco, e um palito horizontal, representando o “yin”, negativo, feminino, preto, que representam o I Ching e, na Cabala, é a Árvore da Vida.

Também foram encontrados vários colares de contas de jade e de madrepérola e aneis da mesma pedra em seus dedos. Um jade grande estava colocado em cada uma de suas mãos e outro em sua boca, o que era uma prática própria dos chineses. As contas de jade dos colares eram de diferentes formas e tamanhos: semiesféricas, achatadas, cilíndricas, ou semelhantes a botões florais; flores abertas, cabaças, melões, etc, sendo que uma das contas, um pouco maior do que as outras, estava talhada em forma de animal.

A máscara de jade, os colares e demais adornos, sem dúvida são um quebra-cabeças no qual foram deixadas muitas mensagens para serem descobertas e para que nos descubramos a nós próprios.

Estas informações foram extraídas dos livros “Los Mayas”, de Henri Stierlin, e “Dos Guerreros Olmecas”, de Antonio Velasco Piña, e de escritos deixados pelo arqueólogo Alberto Ruz Lhuillier, sendo adaptadas para este texto.

 

Scroll to top