tags

(15) A Árvore Vai Para O Sol

(15) A Árvore Vai Para O Sol
Enquanto a tartaruga encontrou O seu lugar no mais cósmico dos alojamentos da lua a árvore foi para o sol. O sol para onde a árvore foi é o sol do tempo do sonho. Para a árvore, este sol apareceu como um alojamento do espírito gigantesco ardente. Era perfeitamente redondo e ardia por todo lado, distribuindo quentes ondas de fogo em todas as direções.

Ao princípio a árvore ficou assustada, pois o fogo é inimigo natural da madeira. Mas depois, a árvore lembrou-se que estava no seu corpo de sonho, e o fogo não a podia queimar.

O espírito da árvore entrou no alojamento do sol flamejante. No seu interior, havia uma grande caverna arredondada de fogo. No centro da caverna estava uma bola, branca e quente. Através do topo até ao fundo da bola, um eixo luminoso corria para cima e para baixo tão longe quanto a árvore o pudesse ver. Saindo desta mesma quente bola branca estavam quatro longos polos. Mas estes eram polos de fogo. Cada polo de fogo estava girando, movendo-se lentamente.

As extremidades de cada um destes polos de fogo irrompe numa chuva de fogo derretido. Cada uma destas quatro rajadas de chuva transformou-se em cinco rios de fogo. Rios de fogo, de quatro polos de fogo e um eixo luminoso para enfiar num núcleo central branco e quente.

A Árvore tremeu e perguntou-se o que era que ela estava vendo.

Enquanto ela pensava, uma profunda, ardente mas amiga voz falou tranquilizadoramente com ela. Eu sou o sol. O que estás vendo é o meu giroscópio do tempo solar. Através do meu giroscópio do tempo solar meu eixo mantém-me no Hunab Ku, tal como tu, nobre espírito da árvore. Ajudando Hunab Ku, os meus quatro membros giram em harmonia uns com os outros. Quatro membros eu tenho para manter meu manto do tempo solar no lugar. De cada um destes quatro membros cinco rios fluem, num total de 20 rios do tempo solar.

Estes 20 rios do tempo solar seguram meus planetas no seu tempo. E assim como tu, árvore, eu tenho meus anéis. Dez planetas seguram meus anéis. O planeta que sustentava o quinto anel quebrou, mas seus detritos mantém o som no lugar. Dez planetas para tocar meu som do tempo!

20 são os rios do tempo solar, dez os planetas dos meus anéis. Eu alimento o tempo de cada planeta com dois dos meus 20 rios. Um rio é alimentado pelo tempo solar, o outro rio é alimentado pelo tempo galáctico. Dez anéis de tempo dos planetas, 20 rios do tempo galáctico solar.

E a árvore perguntou: o Tempo solar vem de ti, sol, mas o que é o tempo galáctico, donde vem?

O sol respondeu: Tempo galáctico é a minha noite. Também eu, experiencio um tempo de noite e um tempo de dia. Tal como a Terra, também eu tenho um manto exterior. Mas meu manto cobre uma grande esfera. O planeta mais afastado do meu giroscópio do tempo solar é o limite de minha esfera. O manto do meu limite exterior é minha heliosfera.

A minha heliosfera é como a carapaça da tartaruga. Só que a minha, é uma membrana do tempo galáctico.

Através do poder do meu eixo, toda a heliosfera gira lentamente em torno de outra estrela, a estrela mãe. Árvore, também eu, sou apenas uma criança. Quando minha heliosfera varre à volta do meu eixo, tenho um tempo de dia e noite muito longos. Treze mil anos Terrestres são o meu tempo da noite e treze mil Terrestres são meu tempo de dia.

Minha estrela mãe está mais perto de Hunab Ku, da bisavó galáxia que tu ou eu. Com o meu giroscópio percorro o meu tempo junto com o tempo da estrela mãe. Navegando com a estrela mãe a minha heliosfera recebe o tempo galáctico. Eu derramo este tempo galáctico em dez dos rios que alimentam os dez anéis planetários. Assim, cada planeta tem a sua parcela de tempo galáctico.

O Tempo galáctico é uma ajuda para o planeta através da sua lua ou luas. Estas luas são como o meu giroscópio de tempo e ajudam o planeta a manter-se no seu tempo. Desta forma, também, o lado do dia de cada planeta é para o tempo do sol, o lado da noite para o tempo galáctico.

A Árvore ficou muito impressionada e então disse: Em alguns aspectos, sol, eu sou como tu. Eu tenho um eixo resistente. Não tenho quatro membros, mas eu tenho raízes e galhos. E no interior do meu tronco, à volta do meu eixo, estão os meus anéis de tempo, assim como os teus anéis planetários, é muito curioso.

O Sol respondeu à árvore. Tu és muito sábia. Para ti são uma coisa de madeira. Eu sou uma coisa de fogo, um inimigo natural da madeira. Para ver em mim alguma espécie de semelhança é sinal de grande conhecimento. Serás recompensado. A recompensa é tornares-te um presente para a última geração das crianças da Terra, os herdeiros do fim da Nova Era.

A Árvore perguntou. O que queres dizer sol, eu não entendo?

A tua recompensa é que vais te tornar a árvore ardente da visão. Toda a vez que o propósito das crianças precise ser reforçado ou lembrado do seu grande papel na biosfera, aparecerás no tempo do sonho sob a forma de uma visão ardente: uma árvore, uma roda, um sinal de ardência. Desta forma, alguém em cada geração dos seres humanos terá a chave para o tempo.

A chave do tempo, mas o que é isso, sol? perguntou a árvore novamente.

A chave do tempo és tu, árvore. Tua forma no tempo é a chave; além de um eixo dentro dum tronco, uma mente que se ramifica no dia do tempo solar e raízes que, então, procuram a noite do tempo galáctico. Esta mente que procura saber as raízes do tempo vai conhecer meu poder de 20. 20 é o número de anos de uma geração humana. 20 é o número de dedos das mãos e dos pés
que a criança humana tem no final de seus quatro membros.

A mente da criança humana que sabe que vai ficar como tu, árvore, forte e nobre, e centrada. Mas a criança humana, sabendo o que sabe, também será capaz de contar. 20 é o ciclo natural. 20 são os dedos dos pés e das mãos do ser humano.

Árvore, mesmo que o ser humano aprenda a contar pelos seus dedos dos pés e das mãos, ele pode esquecer a quietude do espírito. Se ele perde a quietude da espírito, não importa quantos números
o ser humano pode contar. Espírito da árvore, agora coloco-te como o guardião do fogo, da quietude do espírito e a chave para conhecer o poder do tempo, minha sagrada contagem de 20.

Naquele momento, o espírito da árvore foi consumido por uma poderosa explosão quente e branca de fogo líquido, que explodiu em todas as direções. Agora, o espírito da árvore transformou-se. Um tronco ardente permaneceu firme no lugar. Por cima e por baixo saíram disparadas chamas como raízes e ramos ardentes. Em torno das raízes e ramos atravessando o centro do tronco rodas de fogo ardiam e cruzavam-se.

O espírito da árvore tornou-se a árvore de fogo da visão. O início do fim do Novo Começo, chegou.

No reino do radiante tempo do sonho, tão perto da Terra, viste dois lugares vazios aparecerem.

Estes eram os lugares da primeira tartaruga e da primeira árvore. Cada uma agora foi para outras aventuras.

(14) A Tartaruga Viajou Para A Lua

(14) A Tartaruga Viajou Para A Lua
A lua para onde a tartaruga viajou foi a lua do tempo do sonho. Os alojamentos das Treze luas estabeleceram-se num grande círculo no céu. Longe, lá bem no centro do círculo, a tartaruga pode ver o filme azul esverdeado rodando sobre o manto biosférico da Terra. A Tartaruga ficou maravilhada com a rotação da Terra girando em torno do seu eixo, uma joia, encontrada no centro de seu próprio tempo.

A Tartaruga inspecionou os alojamentos que a lua percorreu treze vezes por ano. Cada alojamento da lua era redondo. Do centro de cada alojamento da lua, 28 polos irradiavam para fora, suportando o telhado. Em cada uma dos treze luminosos alojamentos da lua, a tartaruga encontrou um espírito animal.

No primeiro alojamento da lua, a tartaruga conheceu o espírito de um morcego. No segundo alojamento da lua estava o espírito de um escorpião. No terceiro alojamento da lua encontrava-se o espírito de um veado. No quarto alojamento da lua estava o espírito de uma coruja. No quinto alojamento encontrava-se o espírito do pavão. No sexto estava o espírito do lagarto. No sétimo alojamento encontrava-se o espírito do macaco. No oitavo estava o espírito do falcão. No nono o espírito do jaguar. No décimo alojamento encontrava-se o espírito do cão. No décimo primeiro alojamento estava o espírito da serpente. No décimo segundo alojamento encontrava-se o espírito do coelho.

Doze alojamentos, doze espíritos de animais. Mas quando a tartaruga olhou para o décimo terceiro alojamento da lua, estava vazia. Porque é que estão aqui? Perguntou a tartaruga ao espírito dos animais.

Numa só voz os doze espíritos dos animais responderam: nós estamos aqui porque o espírito nomeou-nos para estarmos aqui. Nós devemos manter o poder do espírito das treze luas para a última geração dos filhos da Terra. Quando a unidade de tempo chegar temos que estar prontos. Porque mantemos firmes nos nossos alojamentos, o poder que guardamos ao longo do tempo é grande. Cada um de nós tem o nosso próprio poder do espírito. Estes poderes do espírito ajudarão a última geração das crianças da Terra a permanecerem fortes, equilibradas e cooperativas na biosfera.

E por que é que o décimo terceiro alojamento da lua está vazio? Perguntou a tartaruga.

Novamente os doze espíritos animais responderam como um só: porque o décimo terceiro alojamento é para ti, tartaruga! Tu és o guardião do décimo terceiro alojamento da lua. Isto, porque mantiveste o conhecimento das treze luas tão fielmente na tua concha. Tu és o mais cósmico de todos os animais, em ti está todo o conhecimento do tempo.

Orgulhosamente, com graça e facilidade, a primeira tartaruga entrou no décimo terceiro alojamento da lua. Então, a tartaruga sentou-se junto com os outros doze espíritos dos animais. Agora, em treze alojamentos da lua estão treze espíritos de animais para assistir ao círculo do tempo, conhecido como o fim do tempo da Nova Era.

(13) A Tartaruga e A Árvore No Fim Do Tempo Do Novo Começo

(13) A Tartaruga e A Árvore No Fim Do Tempo Do Novo Começo
Bisavó Galáxia diz, a história do espírito nunca acaba, o tempo não tem início nem fim. Somente no tempo do Novo Começo as coisas começam ou terminam. No reino infinito, no tempo do sonho, a tartaruga e a árvore permanecem perto uma da outra.

Através do tempo do sonho e dos seus radiantes corpos, a tartaruga e a árvore assistiram e entenderam, com amor incondicional, o desdobramento do fluxo da Novo Começo da Terra, o manto biosférico, a costa mais distante do tempo Terra. E isto é o que viram:

Muitas gerações da Terra vieram e foram. Continentes subiram e desceram. Grandes períodos de céus em chamas vulcânicas seguiram-se igualmente a grandes períodos de gelo e deslocamentos do fundo do mar.

Cada grande mudança experimentada pela biosfera apenas reforça o poder do tempo da Terra. Apesar de todas as mudanças, a primeira tartaruga e árvore viram que as gerações de tartarugas e árvores se mantiveram firmes. O dom da primeira tartaruga e da primeira árvore foi transmitido a todas as gerações posteriores de tartarugas e árvores de uma geração para outra.

A tartaruga e a árvore assistiram em silêncio enquanto os dinossauros vieram para dominar a biosfera. Testemunharam, como o tempo reorganizou a biosfera quando o poder dos dinossauros se tornou tão grande que era tudo unilateral. Nenhuns outros seres tinham qualquer chance perante os dinossauros. O conhecimento do tempo da tartaruga e da árvore tornou-se tão profundo que o cataclismo que destruiu os dinossauros nada fez à tartaruga e à árvore.

Apesar das terríveis chuvas de meteoros, cometas e das rápidas mudanças climáticas, as tartarugas sobreviveram nas suas conchas, as sementes e os grandes sistemas de raiz das árvores sempre voltando cada vez mais gloriosos. A forma da tartaruga permaneceu constante no tempo. Cada árvore que surgiu a partir das cinzas de velha árvore, surgiu, no tempo, com a sua forma imutável.

Por causa do compromisso da tartaruga e da árvore como guardiães da Terra, a quantidade da vida na biosfera permanece constante. Onde uma vez houve dinossauros, novos seres peludas de sangue quente proliferaram. Estes são todos os mamíferos. Árvore também adoptou outros tipos, e grandes florestas cresceram cujas folhas caem e mudam todos os anos.

Há milhões de anos, através dos intermináveis anéis das árvores, a árvore e a tartaruga sentaram-se unindo seus espíritos no tempo do sonho. Então o fim do tempo do Novo Começo aproximou-se.

A Terra esfriou. Grandes florestas varreram majestosamente a vasta montanha e, grandes faixas e extensões da Terra foram mosqueadas com lagos e regadas por grandes sistemas de rios. Lá, entre a solidez da gelada idade dos glaciares, a última geração das crianças agitadas, possuíam conhecimento, desconhecido dos outros seres do tempo. Eles possuíam o conhecimento do fogo. Que outros poderes poderiam eles ter?

A Tartaruga falou primeiro: devemos estar prontos para a última geração da mãe Terra, crianças, temos de aprender mais e, preparar os nossos clãs de árvores e tartarugas para o fim do começo da Nova Era e para a última geração das crianças da Terra.

A Árvore disse que devemos apanhar a viagem do nosso tempo do sonho. Tartaruga deves ir para a Lua para que ela alimente de magia a tartaruga, mãe de todas as tartarugas. Tenho que ir ao sol, pois é o sol que alimenta o espírito da árvore, mãe de todas as árvores.

Assim, deixando os seus brilhantes lugares no tempo do sonho, a tartaruga foi para a lua, e a árvore viajou para o sol.

(12) A Bisavó Galáxia Fala Da Nova Era

(12) A Bisavó Galáxia Fala Da Nova Era
Bisavó galáxia pergunta, às crianças da última geração dos últimos filhos da Terra, quando a árvore e a tartaruga originais voltaram para o tempo do sonho, onde pensam que elas foram? Onde fica o tempo do sonho?

A Bisavó Galáxia diz, o tempo do sonho está bem perto.

Se estiveres em silêncio na floresta ouvirás as vozes do tempo do sonho, bem perto. Se te sentares junto das ondas que batem na costa do oceano, ouvirás as vozes do tempo do sonho, bem de perto. E, claro, à noite, quando adormeces, o tempo do sonho está lá.

As coisas no tempo do sonho são para sempre e sem fim, brilhantes e puras. Alguns dos meus bisnetos chamam o tempo do sonho de reino espiritual. Isto, porque o espírito é o mensageiro do tempo do sonho. O Espírito é como o vento, está em todos os lugares e em tudo, sempre trazendo mensagens do tempo do sonho. O Espírito é a voz do vento nas árvores. O Espírito está sempre bem perto.

Mesmo no teu sono, quando estás no tempo do sonho, as coisas que acontecem, são infinitas e para sempre. Estas são as formas e vozes dos diferentes tempos da Terra, os planetas do teu sistema solar e de todas as estrelas tecem o meu vestido de baile do tempo galáctico.

A tua interpretação do sonho é o teu lugar na história.

A história é a história do tempo. Todas as histórias começam com um sonho, e assim é com o tempo.

Voltar ao tempo do sonho é ser capaz de voltar ao lugar onde a tua história começou. Este é o reino radiante do original Hunab Ku. O Hunab Ku, a fonte de tempo, também está no teu coração. A batida do teu coração é a fonte de teu próprio tempo.


reino radiante da fonte do tempo

ouve as batidas do meu coração
reino radiante do meu próprio tempo
ouve as batidas do meu coração
o que o meu coração me conta

Estou sempre bem perto
diz o espírito para mim

Estou sempre bem perto
ouve o batimento do meu coração
Escuta a fonte de tempo
Nunca duvides nunca temas
a fonte de tempo
está bem perto

 

Deixar o tempo do sonho é como acordar de um sonho e estar no teu corpo novamente. Quando deixas o tempo do sonho, retorna-se ao tempo da Nova Era. A biosfera é governada pelo tempo da Nova Era. Tudo o que nasce na biosfera é regulada pela lei da Nova Era:


Tudo vem

Tudo passa
Muda para o que és
e saberás ir para
o sonho da Nova Era
e da Nova Era para o sonho

viver e morrer
não é o que parece
a constante biosfera
é um único fluxo
de um lado é vida
do outro é o sonho

 

Tempo é fluxo de ir e vir. Para a Terra, o fluxo de entrada e saída é o manto biosférico, margem exterior do tempo…

Este fluxo biosférico da Nova Era está preenchido com todas as variedades de vida, vindo e indo no seu tempo. Este fluxo da Nova Era só se completa no momento chamado de unidade de tempo. Quando a biosfera experimentar a unidade de tempo, um novo tempo virá, o tempo do navegar. Até lá, apesar de tudo o que também vem e vai, mudando ou não, a biosfera permanecerá constante!

É a tranquilidade da biosfera que faz minha neta Terra assim feliz. A tranquilidade de biosfera terrestre tempo cria o tempo da Nova Era. Para equilibrar a mudança infinita do tempo da Nova Era
o espírito segue o tempo do sonho. Reino do espírito está em toda parte na biosfera, muito perto.

O espírito reclama ao vento. Enquanto o vento sopra, o espírito pode ser ouvido na biosfera. Mas se queres ouvir o vento traz do espírito, tens que ser paciente e ouvir. Paciente como a tua mãe Terra, paciente como o teu avô sol, o paciente como a tua bisavó galáxia, paciente como tartaruga e árvore.

Ouçam o murmurar de espírito:


Ó crianças da Terra

bem de perto
estão sussurrando nos vossos ouvidos
espírito fala
em tudo o que ouvem
bem perto
canta o espírito

 

Bisavó galáxia diz, o corpo de tempo Terrestre chama-se o corpo da Nova Era, o corpo do tempo do sonho chama-se o corpo de sonho.

Todos os seres da biosfera terrestre, meus bisnetos, têm estes dois corpos, mesmo o menores deles, a barata ou a pulga! Isto é porque o espírito cuida.

Espírito conhece cada forma do tempo desde das amebas, à criança humana é o tecer de um grande fluxo de tempo da biosfera, o tempo da Nova Era. Este fluxo cada forma de vida é, também, um mensageiro do espírito.

Espírito é o mensageiro do tempo do sonho. Espírito também é o guardião da biosfera. Espírito cuida para que, mesmo, quando estás no tempo do sonho, as vozes estejam bem perto. Se ouvires estas vozes, elas guardar-te-ão na sua rotação através do tempo!

Com teu corpo evoluindo, podes sonhar e tornar-te no que sonhas. Mas dentro de teu sonho podes sonhar o infinito.

Escutem os sonhos da tartaruga e da árvore, ouçam as suas canções do espírito, porque elas estão aqui bem perto:


Criança da Terra sou a tua tartaruga mágica

criança da Terra sou a tua árvore do espírito
Aqui bem perto está a voz
que te vai libertar
bem perto as vozes cantam
bem perto está o teu coração
bem perto do anel do espírito
bem perto do “tempo é arte”
monta a tua tartaruga mágica
Conhece a tua árvore do espírito
Oh criança da Terra, Oh criança do tempo
no tempo da Nova Era
serás sempre livre

(11) A Tartaruga e A Arvore Regressam Ao Tempo Do Sonho

(11) A Tartaruga E A Arvore Regressam Ao Tempo Do Sonho
A bisavó Galáxia recorda: depois da árvore e da tartaruga terem estabelecido a sua amizade eterna, multiplicaram-se e espalharam suas espécies por toda a biosfera Terrestre.

A Árvore pediu ao vento para soprar as suas sementes por toda a parte. As sementes cruzaram o oceano e a montanha, criando a raiz no solo e nas rochas. Através de sua tranquila consciência, a árvore adaptou-se aos diferentes climas. Do sonho de semente, e com o tempo, a árvore desenvolveu-se em diferentes tipos de árvores: árvores que derramam folhas, árvores com grandes folhas de palmeira, árvores que cada treze luas amadurecem com maravilhosas frutas suculentas.

A tartaruga também se espalhou na biosfera da Terra. A tartaruga navegou em profundidade, assim como, pelas correntes e rios da terra. Em todos os lugares a tartaruga nadou ou rastejou e se adaptou. Algumas tartarugas desenvolveram barbatanas. Algumas mais pequenas fizeram as suas longas vidas sobre as rochas cobertas de musgo e nas águas frescas da montanha. Outras tornaram-se gigantes e aqueceram a sua sabedoria do tempo nas distantes ilhas desertas.

Um dia, quando já era muito velhinha, a grande e original bisavó tartaruga veio visitar a original bisavó árvore. Era hora da tartaruga retornar para o tempo do sonho. A tartaruga tinha um desejo: estar bem perto da bisavó árvore quando deixasse a sua grande concha e voltasse para o tempo do sonho.

Quando a tartaruga finalmente chegou ao lugar onde, há muito tempo atrás, ela e a árvore tinham chegado a um entendimento, ficou impressionada.

A bisavó árvore, agora estava cercada por um círculo de árvores.

Este círculo foi o centro de uma vasta floresta que se espalhou tanto quanto os olhos da tartaruga poderiam ver. A tartaruga olhou para cima através do jogo de luz e sombra na parte superior do círculo das árvores. Num borrifo de raios de luz, a tartaruga pensou que podia ver o Hunab Ku. Ela estava certa. Tinha chegado o momento de voltar para o tempo do sonho, de onde tinha vindo.

A Tartaruga entregou-se a um descanso no tronco retorcido da bisavó árvore. Fantásticos cogumelos cresceram como grandes escadas até o tronco do bisavó. Libélulas e cobras brincavam com vivacidade tranquila à sua volta na parte inferior da musgosa árvore.

A árvore falou: tartaruga, estou tão feliz por te ver. Também, me sinto agora cansada. Transmiti a minha mensagem para a última geração dos filhos da Terra e a todas as árvores do grande reino vegetal da biosfera. Agora é deles, para que se lembrem até ao final do tempo da Nova Era. Agora estou pronta para regressar ao tempo do sonho. Vamos juntas.

A tartaruga respondeu: Estou como tu, árvore. Também eu estou cansada. Transmiti tudo o que sabia acerca do tempo a todas as tartarugas do grande reino animal da biosfera. Minha sabedoria de tempo está vazia. Quero voltar para o tempo do sonho. Tu, também, deves deixar o teu vazio e voltar para o tempo do sonho.

A árvore ficou satisfeita com as palavras da tartaruga. Em gratidão para com ela, árvore decidiu dar um presente especial à tartaruga: uma lembrança da árvore. Árvore disse, tartaruga, sobe o mais alto que puderes no meu tronco. Certifica-te de que a parte inferior da concha descansa no meu tronco.

A Tartaruga arrastou o seu grande corpo e concha pelo tronco da árvore, até ao mais alto que pode subir. Ali, ela descansou e respirou fundo. Quando expirou, deixou de respirar. Nesse momento, uma coisa mágica aconteceu. No tronco da árvore, onde a tartaruga descansou, a árvore deixou uma simples memória dela. Ainda hoje em dia, verás o eixo do grande tronco da árvore correndo do centro à parte inferior da concha de qualquer tartaruga. Em ambos os lados desta memória do tronco da árvore, os ramos estendem-se até a borda da concha da tartaruga. Desta forma a árvore deixou uma lembrança para todas as tartarugas do dom da calma que faz valer a pena a tranquilidade, o equilíbrio.

Após o último suspiro da tartaruga, um grande vento surgiu, forte e feroz. Logo uma tempestade soprou descontroladamente, durante a noite sem lua. Antes que o próximo dia nascesse, um acidente gigantesco foi sentido em toda a primitiva e vasta floresta. A bisavó árvore juntou-se à tartaruga, no retorno ao tempo do sonho.

No bosque de árvores, a imóvel concha da tartaruga brilha salpicada pelo orvalho do amanhecer. Ao lado da tartaruga, o grande tronco de árvore estava silencioso. Novos cogumelos brotaram
ao longo do seu caído tronco. O seu grande sistema de raízes ainda bate noutras árvores. Mas com seu tronco quebrado, a bisavó árvore morreu.

No círculo de árvores, do tempo do sonho uma canção surgiu, uma canção da tartaruga e da árvore:


o corpo da tartaruga

a mente da árvore
mantendo o anel das treze luas
constante no corpo
firme na mente
vivendo no seu anel das treze luas

tartarugas marinhas do verde planeta
mantém a biosfera no caminho
mantendo seu corpo constante
Deixe o tempo mover a força da tartaruga

árvores do planeta azul
mantenham a biosfera
sejam a calma da sua mente
como a Terra se move com o tempo

 

Quando a canção se esvaneceu na brisa espumante, a Mãe Terra estava feliz. Enquanto as vozes do tempo do sonho se puderem ouvir no silêncio da floresta, então o tempo da biosfera será também cantado como uma canção. Mas se as vozes deixarem de ser ouvidas na silenciosa floresta ou profundidade do oceano, então a Mãe Terra saberá que o fim do começo da Nova Era está ao alcance da mão. A unidade de tempo está próxima.

(10) A Tartaruga e A Arvore Falam Do Tempo e Da Mente

(10) A Tartaruga e A Arvore Falam Do Tempo e Da Mente
A Bisavó galáxia diz, o tempo e a mente não se podem ver ou saborear.. A mente tem conhecimento. O tempo é o que flui. Sem conheceres a tua mente e sem estar no “agora”, a tua vida pode ser um terrível desperdício! Minha neta, Terra, sabe isso muito bem. A escolha dos seus Guardiães foi sábia. Quem melhor do que a tartaruga e a árvore sabe que o tempo só existe para a mente ser! Ouvi novamente a história da tartaruga e da árvore!

Depois da mãe Terra ter escolhido os dois Guardiães dos dois reinos vivos da biosfera, a tartaruga saiu da água para descansar na poderosa base do alto tronco da árvore.

Tanto a tartaruga como a árvore sabiam que eles deveriam ter um Conselho. Eles queriam estar seguros, que ambos recebiam os seus sinais directamente. Em especial queriam saber se estavam nisto juntos para sempre.

Estendendo a sua sábia e antiga cabeça da sua concha e olhando com admiração os ramos da árvore que se estendem durante todo o tempo para o céu, a bisavó tartaruga falou:
viver no tempo é uma coisa, árvore. Saber o tempo em que estás vivendo é outra coisa diferente. O que sabes tu?

A bisavó árvore olhou para a tartaruga. O que sei, está escondido pelos meus anéis. Mas sou parecida, tartaruga. Guardando o tempo no meu tronco, mantenho o meu tronco, entretanto, o tempo vive em mim e duro muito tempo. Também contigo, assim é, tartaruga. Muitos círculos de treze luas vêm e vão. Muitos anéis se expandem no meu tronco, e as minhas raízes mais profundamente se estendem pela Terra, e erguendo os meus ramos mais longe no céu. Viver muito tempo, durante muitas estações de mudança, o que está lá não sei? Tal como tu, tartaruga, permaneço verde para sempre.

A tartaruga retorquiu, eu entendo, árvore. Como a minha concha, o teu tronco é especial. Através do centro do teu tronco conta-se os anos, no entanto, há algo que permanece igual, o que é?

A árvore respondeu, a minha natureza é calma. Esta calma é o centro do meu tronco. O meu tronco é o meu eixo. Este eixo mantém-me direito. Mas tens razão, tartaruga, o que é esta quietude dentro de mim?

Uma vez eu fui uma semente. O tempo sonhou uma nova forma para esta. E dessa semente, cresci eu para a luz. Mas não te sei dizer o que mantém meu tronco recto e alto. Será o sonho original de tempo?

A Tartaruga sorriu e disse: a minha natureza é constante. Eu vim de um ovo. Uma nova forma que o tempo sonhou para o ovo. Desse sonho, arrastei-me para fora na lama quente. Minha concha faz-me forte e resistente como tu. Quando preciso, movo-me lentamente. Ninguém se pode mover mais rápido do que uma volta por dia, de qualquer forma a minha estabilidade é suficiente para mim.

Não só carrego a natureza do tempo nas minhas costas, como, no tempo, nada me podem retirar dos meus círculos planetários. Eu entendo, porque é que a mãe Terra nos nomeou como Guardiães da biosfera. Com nossas simples formas podemos suportar qualquer coisa. Somos tranquilos, mas imbatíveis! Acho que o que mantém o teu centro em linha recta não é nada mais do que a mente.

A Árvore respondeu, Tartaruga, és sábia! Conta-me mais. O que queres dizer com “a mente”?

A Tartaruga riu silenciosamente. Árvore, ninguém sabe sobre a mente, até que alguém lhe mostre. A mente é o centro de Hunab Ku. Hunab Ku está em cada sonho de vida. Mente é o que tu és. Ninguém pode tocá-la ou tirá-la. Ninguém te a pode dar ou te dizer o que é, ou o que não é. A mente é como o tempo não tem gosto nem cheiro. A menos que saibas que tens consciência, que conhecimento podes ter?

Então a árvore riu, entendo tartaruga. A consciência está sempre mantendo o meu centro. Tenho estado, o tempo todo, sempre consciente. Ou a minha mente tem estado em mim! É o que me mantém em pé. É ela que faz o anel de tempo cada treze luas. É o que eu cultivo através minha consciência. E quanto mais consciente me tornar, mais eu posso fazer e ser!

A árvore triunfante, cresceu mais alto do que nunca, raspando as nuvens no céu.

A tartaruga parou por um longo tempo, a cabeça inclinada para cima até ao distante topo da árvore. Perante a incrível altura da árvore, a tartaruga sentiu-se pequena. A Árvore, olhando para baixo para a tartaruga sussurrou e o vento delicadamente soprou suas folhas.

A Árvore disse à tartaruga: meu tronco inferior e raízes serão sempre um lugar para tu descansares e pensares. Se o sol for muito quente durante o dia, os meus galhos frondosos dar-te-ão sombra.

Todos os pensamentos que tiver, vou partilhá-los com todas as outras árvores, já que nós árvores somos todas uma árvore. A propósito, tartaruga, já que por aqui andas, há mais tempo que eu, o que pensas, o que viste, o que sabes tu?

A Tartaruga pensou um pouco e respondeu à árvore:

Tu és um bom desafio para mim, árvore. Levarei um pouco do teu silêncio no meu centro, onde quer que vá. O meu movimento é como o tempo, assim como a tua calma está para a tua mente. O Tempo é constante, a mente também o é. A Mente precisa de silêncio para entender, o Tempo precisa de equilíbrio para andar.


Ser firme como uma tartaruga

ser tal como uma árvore
a inocência é o equilíbrio
entre quietude e a firmeza
Fica na tua inocência
cada momento do tempo
teu conhecimento vai virar
tua firmeza brilhará

 

Depois da tartaruga ter cantado a sua canção, um vento forte levantou-se, fazendo a árvore curvar e agitar-se. Quando o vento parou, a árvore pensou por um momento e disse: tartaruga, aquele vento era muito forte. Mas no meu centro, minha mente permanece firme. Agora posso dizer o que eu penso:


Tranquilidade é para aprender

mantém a tua tranquilidade
e o anel do tempo
conhecerás
Quando conheceres o anel do tempo
poderás saber todas as coisas
sabendo todas as coisas
podes estender as raízes de tua mente
profundamente no teu corpo
e os ramos de tua mente
até ao céu
dos mistérios e sonhos
Este é o poder da mente conhecido pela árvore
Com minha consciência centrada
guardo o tempo
um anel por ano para a mãe Terra
um anel por ano para renovar nosso nascimento
A verdade, tartaruga, é que
no meu silêncio, eu conheço-te!

 

Quando a árvore terminou, a tartaruga manteve-se na base do tronco da árvore por muito tempo.

Depois de muitas luas, a tartaruga olhou para a árvore e disse: Agora, eu vou árvore. Finalmente entendemo-nos uma à outra. Vamos encontrar muitas maneiras de cooperar no tempo da Nova Era. Permanecendo constantes e serenas capazes de durar até ao fim da Nova Era. Seremos capazes de completar as nossas tarefas para a biosfera sagrada da mãe Terra! Manteremos o tempo da sagrada Terra dentro de nós mesmas, não importa o que aconteça!

Árvore, estes são os meus pensamentos. Isto é o que eu aprendi contigo, e isto é o que eu tenho para partilhar contigo antes de ir:


Tranquilidade é saber que a mente é tudo

Se eu estou infeliz é porque
minha mente não está tranquila
pensamentos negativos minha mente turvam
pensamentos positivos minha mente tranquilizam
Quando minha mente está tranquila
Mesmo sem saber, dou e recebo

Quietude me mantém equilibrada
Com equilíbrio movemo-nos no tempo

Todas as criaturas do reino animal
se movem no tempo
assim como a Terra se move no seu próprio tempo

Minha tranquilidade é para navegar
Quando estou equilibrada com o tempo
meu caminho sempre me leva
para onde eu vou

Árvore, para onde viajar, através de terra e mar
tua amizade estará constantemente comigo
Sê quem és, o tempo é teu para saber
Mantém-te equilibrada no caminho, e tudo fluirá

 

Então, a tartaruga deslizou silenciosamente para a corrente. A Árvore sonhando com a cabeça na lua, acenou.

Tudo estava bem na biosfera.

(9) Porque É Que Árvore Se Mantém Alta

(9) Porque É Que Árvore Se Mantém Alta
Então, a Mãe Terra virou-se para a sua filha, a bisavó Árvore, e disse: árvore, tu és o padrão verde vivo da biosfera. Providencias casa para muitas criaturas do reino animal. Dás fruta e sementes. Apenas as nuvens conhecem o céu melhor do que tu.

No teu tronco robusto está o teu poder. Não só o teu tronco guarda a contagem do tempo terrestre, como também, se parece com o eixo que corre dos meus polos magnéticos de Norte para Sul.

Em baixo as tuas raízes, e em cima os ramos demonstram como funcionam os meus dois polos para mim. Um polo recebe a luz e a radiação cósmica, tal como os teus ramos que se erguem para o céu. O outro polo liberta todas as minhas mensagens da vida pelo sistema infinito de raízes do tempo galáctico.

Árvore, o teu tronco transporta o conhecimento de tudo o que sou como uma criança do cosmos. És uma imagem de espelho de mim mesmo. Estamos ligados a um eixo comum, girando numa rotação universal comum.

As tuas raízes subterrâneas refletem os teus ramos no céu. Toda a energia do céu cósmico entra nos teus ramos para alimentar a biosfera. Do meu núcleo cósmico a energia do tempo irradia de volta ao teu tronco através das tuas raízes.

Árvore, só o tempo te pode arrancar das tuas raízes e libertar de novo para alimentar a Terra. No fim da “Nova Era”, a minha criança mais jovem virá. Na sua juventude a criança, virá para te conhecer. Tu ajudarás e te oferecerás a esta criança. Mas a criança vai se esquecer do tempo. Esquecendo-se do tempo, no início a criança te rasgará e cortará das tuas raízes. Quando isto acontecer mantém-te firme. Se o esquecimento for tão grande, que a minha criança mais jovem deixe de entender que a árvore e o ser humano têm uma raiz comum no tempo, então deves estar pronta para entregar a tua mensagem da Terra.

A árvore ficou direita nobremente, os seus ramos de pinheiro maravilhosamente se levantando em conjunto para o céu. Sentiu todas de palavras da Mãe Terra desde as suas raízes à ponta do seu pináculo.

Então, a partir do seu eixo invisível, do eixo que atravessa o centro do seu tronco, a bisavó árvore formulou a sua mensagem para as crianças das últimas gerações da Terra:

Últimas gerações de Crianças da Terra
Sou o vosso guardião
Sou alto para vosso modelo
Se desejas parecer-te comigo
Aquieta e aprende
o anel de tempo

No anel do tempo
O meu conhecimento é este
Enquanto tranquilo
ainda giro
As voltas que dou, permanece no meu interior
tranquilamente eu cresço em altura
conservando a energia do conhecimento
no meu eixo, ligo o tempo como a Terra
cada anel, um ano
cada nascimento, um anel

Criança do futuro filho do tempo
podes viver com os teus anéis
podes ficar alto
podes ainda subir
partindo das tuas raízes durante o sono Terrestre
para alcançar os meus ramos
no céu tão fundo e longínquo
pergunta à árvore que está tão alta
se a tua mente é o tempo e o tempo é o
levantar de todos os teus ramos para o céu
elevando os teus sonhos para onde eles podem voar

A biosfera tem um lugar para ti
enraizado como uma árvore no Hunab Ku

(8) Porque É Que A Tartaruga Tem Uma Concha

(8) Porque É Que A Tartaruga Tem Uma Concha
Uma vez que o tempo tinha tecido a biosfera numa teia de vida de mar e terra, a Bisavó Galáxia recorda, a terra estava feliz. Agora ela estava pronta para mergulhar em frente no tempo da Nova Era. Para esta tarefa, a Terra sabia que precisava de sábios para manter proteção sobre a biosfera. A Terra sabia que precisava de um guardião para cada um dos reinos vivos, o animal e o vegetal. Estes dois guardiões seriam responsáveis por manter o equilíbrio da Terra Biosférica até o final do começo da Nova Era.

Como a tartaruga já tinha a sabedoria do tempo, a Terra escolheu a tartaruga para ser o Guardião do Reino Animal. Uma vez que a árvore já era o guardião do tempo, a Terra escolheu a árvore para ser o Guardião do Reino Vegetal.

Então a Terra falou com a tartaruga: tartaruga, nas tuas costas há treze escamas que contêm o conhecimento do tempo a que chamamos treze luas. Isto é o poder cósmico de energia que carregas nas costas.

A razão pela qual carregas o conhecimento do tempo nas costas é porque possuis uma concha. A tua concha possui o conhecimento de toda a terra. A tua concha é uma demonstração do poder cósmico do tempo que a terra inteira tece no manto da vida da biosfera.

A parte superior da tua concha com as treze escamas mostra como a biosfera é governada pela lei do tempo.

Treze escalas para refletir
o caminho das treze luas
Treze Luas para guiar a viagem em espiral da Terra
Mas uma vez em torno do sol
Treze Luas
uma Terra
um Sol
uma Tartaruga
constantes na Lei do Tempo

Tartaruga, estas treze luas movem-se por um padrão regular que mantém a biosfera em conjunto com o tempo. Como o padrão de vida das tuas treze escamas, a biosfera é regida pelo tempo. O tempo modifica a energia cósmica em modelos vivos para viver na Terra. Tartaruga, a robustez da tua concha mostra como o tempo mantém a biosfera constante e pronta.

A parte inferior da tua concha, mais suave, mostra o quanto és vulnerável e sensível. És sábia entre os vivos, porque a tua casca é a tua casa. Quando precisas de te retirar e conhecer a tua própria noite, as tuas quatro patas, cabeça e cauda, encolhem-se para o seu núcleo de tempo. Com as quatro pernas, podes navegar em quaisquer águas ou andar na terra, levando a tua mensagem do tempo onde quer que vás. Com a tua cabeça e cauda, podes navegar o teu corpo a reboque dos meus polos magnéticos. Tartaruga, és maravilhosa na tua forma e no tempo!

Se alguma vez acontecer, e o mais novo dos meus filhos esquecer a sua mãe, então, por favor, tartaruga, expõe-te, e partilha o teu conhecimento da biosfera, para que as crianças humanas da Terra se possam lembrar da união do tempo.

(7) A Biosfera, O Circulo Terrestre Do Tempo

(7) A Biosfera, O Circulo Terrestre Do Tempo
A Bisavó galáxia diz, a biosfera é o nome da margem do tempo mais distante da terra. Esta margem de tempo define o limite do circulo terrestre do tempo.

Bio significa vida, e esfera é a forma original do tempo. O Tempo é um circulo, uma canção que canta através de tudo o que vive. Todas as vidas, vivem o círculo do tempo diário.

Noite e dia, tudo vive de acordo com a rotação.


Uma volta na Terra, uma biosfera

dançando o tempo de um circulo Terrestre
uma respiração, uma onda de vida
uma só voz para cantar um som comum

 

A Bisavó Galáxia diz, a biosfera é o manto da terra, do tempo vivo. A biosfera é a margem mais distante do batimento do núcleo de cristal da Terra. Mas o mais distante do núcleo é muito próximo da lua, do sol e para além de todas as estrelas.

Pulsando profundamente no único mar da Terra, a biosfera, estende-se com ondas verdes através das planícies costeiras e vales, diminuindo até aos polos ou baldios a solidão da montanha.

A biosfera é onde os filhos da Terra enraízam e criam as suas formas no tempo. Cada forma de vida está na teia, ligada a todas as outras formas. Cada forma de vida da Biosfera é uma criança da Terra igual a todas as outras crianças da Terra. Todas as crianças respiram de uma única fonte com todas as crianças. Todas as crianças da Terra giram no tempo com todas as outras crianças, dia após dia, noite após noite, tempo após tempo, Kin após Kin.

Através do olhar do falcão, a biosfera é um véu dançante drapejado de luz verde, envolvendo as montanhas entrançadas do planeta e as planícies varridas pelo vento. Este fino véu verde é ajudado por todos, em conjunto, os tipos de criaturas que se mantêm girando, modificando continuamente o oxigênio em dióxido de carbono. Isto cria a atmosfera.

A atmosfera é a força vital da biosfera, recreio cósmico da Terra. A atmosfera converte a energia de toda a radiação cósmica do sol e das estrelas em formas de tempo de vida.

Através das intermináveis pulsações do giro universal, as moléculas vivas do tempo são cada mudança. Mutações, novas formas de vida seguindo-se uma após outra. Mantendo. no entanto, a biosfera constante.

Em qualquer momento do longo ciclo da “Nova Energia” a vida na biosfera permanece na mesma, permaneceu o mesmo. Na biosfera não há nada para além de movimento e mudança. Dia após noite, a esfera do tempo permanece constante e estável. O Tempo mantém a minha esfera constante e estável.

A Mãe Terra canta a sua biosfera:

Meu poder de tempo permite-me girar como uma bola
meus polos magnéticos dão-me o conhecimento de Tudo
até às margens mais distantes do batimento do meu coração
a biosfera vive, transformando o tempo em arte
Não apenas, moléculas em sprays de arco-íris
Mas as nuvens e flores tão infinitas como dias
A minha biosfera é meu véu cósmico
o vaivém do meu correio galáctico
cartas de amor do Hunab Ku
sol e lua, levando meu som até ti
tudo girando ao ritmo do tempo
todos cantando a seguinte rima

Criança do futuro chamada humanidade
Tal como a biosfera te chamou, és nobre e livre
Quando amanhã chegar o que vais ver…
o que saberás sobre a tartaruga e a árvore

(6) A Terra Fala Do Tempo

(6) A Terra Fala Do Tempo
A Bisavó Galáxia diz, se a tartaruga e a árvore são de todos os meus bisnetos, os mais sábios, vocês, os seres humanos são, de longe, os mais jovens. Tão jovens que são os últimos, aqueles que vêm no topo do “Princípio”. São tão jovens que nem se lembram que a minha sabedoria é a sabedoria da Terra. Se a tartaruga e a árvore são as que têm mais conhecimentos sobre o tempo, então a Terra é a mais sábia de todos.

A Terra é a forma do tempo e a formadora do tempo. Tudo pode ser e saber criar-se a partir da rotação da Terra. Tu és a Terra. A Terra és Tu. Girando a canção universal do dia e da noite, o tempo da Terra é o teu tempo. O teu tempo gira sozinho. Como vais girar o teu tempo? Escuta a história do tempo e saberás!

Há muito tempo atrás, quando o “Princípio” estava no início, quando a tartaruga espalhou a sua vida por todas as espécies em volta Terra, do mar e da ilha, a árvore espalhou todas as suas formas pelas colinas rochosas até às nubladas alturas. Do fundo do seu coração rejubilando a Terra estava feliz!

Agora, tenho crianças que se irão lembrar da minha verdadeira natureza para lá de todas as idades, antes do “Princípio”. E logo cantou a sua canção do tempo:

Qual é a minha forma terrena no tempo?
Um circulo que gira ao seu ritmo
conjunto de esferas enlaçadas
na cobertura das nuvens um íman girando
uma emissão da rádio do som da vida
uma batida suave e redonda do coração que se move em espiral

Olha para baixo e o que vês?
Sol, Lua e Estrelas que mantém tempo comigo

Tudo se transforma na volta universal
Vai se embora o dia, a noite chega
na volta formando um redemoinho
fazendo-o rodopiar no aqui agora
para ajudar a manter a sua forma e a
desenhar um eixo recto e longo
do topo para baixo, dos polos norte e sul
São os círculos de tempo da Terra em objetivo comum.

A Terra é uma forma do tempo. A forma da Terra é uma esfera, bola redonda. A esfera é a forma comum da bisavó galáxia e de todas as bisavós da galáxia, netos e bisnetos. Isto porque, a forma comum do tempo também é uma esfera.

Todas as esferas têm um centro invisível. Este centro invisível mantém a esfera unida e dá-lhe a sua forma no tempo. O tempo irradia deste centro. O tempo mantém a esfera junta. O tempo dá a qualquer esfera o seu molde.

O Tempo é como o sol. O sol irradia sua luz e energia para todos os planetas do sistema solar. A órbita do último planeta dá forma redonda ao poder da radiação do sol. Esta forma redonda é uma grande esfera cujo centro é o sol.

Como o sol, o tempo irradia o seu poder de moldar para fora sob a forma de uma esfera. É assim que a Terra também funciona.

No centro esférico da Terra existe um denso núcleo cristalino. Este núcleo de cristal flutua num mar de ferro fundido. Através deste núcleo passa um eixo. Este eixo conecta os polos magnéticos norte e sul. Linhas de força magnética atravessam o núcleo de polo a polo.

No mais profundo do meu núcleo de cristal
O tempo armazena a sua vasta sabedoria magnética
As minhas marés em ritmo com a lua
As minhas melodias fluindo do sol
O meu coração marca o compasso
puxando a rima infinita da vida

Agora dou-lhe um enigma no tempo
um centro, um eixo, uma margem exterior
um oceano abrindo a sabedoria do tempo
uma tartaruga, uma árvore, uma criança humana
uma concha, um tronco, uma mente selvagem
Se o tempo é o enigma, e tu és a pista
Saberás tu onde encontrar o Hunab Ku?

Scroll to top